Vídeos para emagrecer

Dores nas costas atacam quase 80% da população

Má postura, sobrepeso, carregar um objeto muito pesado ou dormir em um colchão errado podem causar dore nas costas.

por Everson Alves

Para ter uma vida de qualidade, sem problemas nas costas, é preciso postura e disciplina. Aproximadamente, 80% da população já teve ou ainda vai ter dor nas costas. Uma dorzinha ou uma dor quase insuportável, de diferentes graus, mas que atrapalha, incomoda, e compromete a vida social, emocional e física.

A dor começa com um pequeno incômodo que vai aumentando gradativamente e piora conforme o movimento, só melhora quando a pessoa se deita. Ás vezes a coluna “trava” e a pessoa anda toda “dura”, com medo de se mexer demais e sentir uma dor muito grande ou uma pontada profunda.

Dores nas costas. (Evil Erin/flickr)

Dores nas costas. (Evil Erin/flickr)

A dor que mais incomoda é a lombalgia, aquela dor no final das costas, entre a última costela e o início dos glúteos. Se a dor nas costas vier acompanhada de febre ou perda de peso, cuidado é melhor procurar orientação medica, pois essa dor pode ser sinal de uma má-formação congênita ou até de uma hérnia de disco, entre outras coisas. Ou se a dor não tiver nenhuma causa aparente é melhor ter mais atenção com a postura do dia a dia, talvez ela esteja errada e isso pode lhe causar desconfortos futuros. Infecção urinária ou pulmonar, infarto do miocárdio, herpes zoster, tumor no ovário e na próstata, também causam dores nas costas.

Dormir em um colchão adequado ao seu peso, sentar-se e levantar-se adequadamente, pegar objetos que estão no chão cuidadosamente sempre dobrando os joelhos é essencial para uma boa postura. A obesidade também pode causar dor nas costas, pois sobrecarrega as vértebras. Ou apenas um movimento errado, o mal-jeito, pode lhe trazer a tão incômoda dor nas costas.

O tratamento para dor nas costas pode ser feito com analgésicos, anti-inflamatórios, relaxante muscular, injeções, fisioterapia, RPG (Reorientação Postural Global), técnicas de calor e frio, hidroterapia e condicionamento físico, dependendo do grau do problema.

Seja o primeiro a comentar!

Participe, deixe um comentário: