200 metros rasos

200 metros rasos, a prova de força e resistência

por Everson Alves

Os 200 metros rasos é tida com uma prova muito técnica pela corrida em curva. Há casos de quebra da perna de atletas durante a curva, tal a solicitação nos ossos e músculos do corpo.

O treinamento para a prova de 200 metros é muito específico e motivo de muito estudo. Não é uma prova só de explosão, como os 100 metros e nem uma prova de mais resistência, como os 400 metros.

Na largada dos 200 metros, os atletas são colocados desalinhados, em diferentes posições de largada. Isso é feito para compensar a curva, já que os corredores internos percorrem um raio menor que os corredores externos à pista. O segredo da prova está na habilidade do atleta em correr na curva. Quanto melhor for essa corrida inicial, mais rápido o atleta atingirá a velocidade máxima na prova.

As fases dessa corrida são similares à prova de 100 metros rasos. O atleta deve largar bem, com atenção máxima ao tiro de largada, acelerar com muita força e aproveitar cada passada com muito técnica. Atingir uma velocidade boa e fazer os últimos 100 metros com muito esforço para não deixar a velocidade cair muito.

Os últimos 100 metros são muito especiais, pois o organismo já mostra sinais de fadiga e o atleta já não consegue mais manter sua máxima explosão. As pernas ficam mais pesadas devido ao acúmulo de lactato, resultado do metabolismo do organismo durante a prova.

Os 200 metros requerem uma enorme demanda de reservas energéticas de cada atleta e isso pode ser uma vantagem para corredores dos 400 metros rasos. Porém, de tempos em tempos, essas regras podem mudar. O americano Michael Johnson dominou as provas de 200 e 400 por vários anos seguidos.

Atualmente o jamaicano Usain Bolt parece ser invencível nas provas de 100 e 200 metros rasos. Bolt detém os recordes mundiais e olímpicos das duas provas.

Prova de 200 metros.

Prova de 200 metros. (az1172/flickr)

Seja o primeiro a comentar!

Participe, deixe um comentário: